COMUNIDADE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA EM BARRAVENTO (1962, GLAUBER ROCHA)

  • José Elenito Teixeira Morais
  • Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG
  • joseelenito@yahoo.es

RESUMO: No presente artigo analisamos o filme Barravento (1962), dirigido por Glauber Rocha, em função dos conceitos de comunidade encontrados em obras de Maurice Blanchot, Jean-Luc Nancy, Giorgio Agamben e Roberto Esposito para revelar aspectos da cultura afro-brasileira. O intuito foi compreender a dinâmica constitutiva de um grupo de pescadores negros, da Praia de Buraquinho, próxima a Itapuã, na grande Salvador – Bahia, representados no filme. Os espaços comuns, bem como a atividade partilhada pelo grupo, aparecem como elementos aglutinadores. A análise do filme mostrou que o grupo de pescadores é constantemente instigado pelos seus integrantes, seja na busca por uma identidade, seja na denúncia das condições de vida que levam.

PALAVRAS-CHAVE: Glauber Rocha – Barravento – Comunidade – Cultura Afro-brasileira – Pescadores.

AGAMBEN, Giorgio. La comunità che viene. Torino: Bollati Boringhieri, 2001.

AGIER, Michel. Anthropologie du carnaval: la ville, la fête et l’Afrique à Bahia. Marseille: Éditions Parenthèses/IRD, 2000.

BLANCHOT, Maurice. A comunidade inconfessável. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2013.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 8, p. 67-89, 1970.

ESPOSITO, Roberto. Comunidad, inmunidad y biopolítica. Madrid: Ed. Herder, 2009.

ESPOSITO, Roberto. Communitas: origen y destino de la comunidad.  Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2012.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003.

GERBER, Raquel. Glauber Rocha e a experiência inacabada do cinema novo. In: GERBER, Raquel; et al. Glauber Rocha. 2. ed. São Paulo; Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1991.

GOMES, Paulo Emílio Sales. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NANCY, Jean-Luc. La comunidad inoperante. Santiago: Lom Ediciones, 2000.

NANCY, Jean-Luc. La declosión: deconstrucción del cristianismo, 1. Buenos Aires: Ediciones La Cebra, 2008.

NANCY, Jean-Luc. Conloquium. In: ESPOSITO, Roberto. Communitas: origen y destino de la comunidad.  Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2012.

PINTO, Álvaro Vieira. Ideologia e desenvolvimento nacional. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura; Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1960.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RODRIGUES, João Carlos. O negro brasileiro e o cinema. 3. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Teorias raciais. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Flávio. Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

TAVARES, Odorico. Bahia: imagens da terra e do povo. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1951.

XAVIER, Ismail. Barravento: alienação versus identidade. In: XAVIER, Ismail. Sertão-mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Fechar Menu